ENTRE O CAOS E A CIVILIDADE: As Cidades Precisam ser Repensadas

eletricobusmaiorok

Foto: Ônibus elétrico testado em 2015, em São Paulo/SP, durante a administração de Fernando Haddad (PT)

 

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais, responsável pelo Blog Sustentabilidade e Democracia.

No momento em que o mundo assiste preocupado o retorno de políticas neoliberais e excludentes, o anúncio feito pelo Governo Alemão, de que pretende implantar transporte público, gratuito e limpo para 100% da população, em 5 cidades, até o final de 2018, surpreendeu até o mais otimista dos militantes ambientalistas.

Mas esta não é uma ação que sai do nada. O país já recebe pressão da União Europeia em razão do não cumprimento das metas de redução dos gases estufas, o que foi agravado pelo escândalo de falsificação de testes de emissão de carbono em motores pela Wolksvagen. A saída foi radicalizar e propor uma alternativa que contraria a linha de austeridade fiscal que sempre foi defendida pela Chanceler Angela Merkel.

Ocorre que não há nada de absurdo no projeto alemão. Na verdade é uma saída inteligente para resolver um problema crônico que afeta os centros urbanos: a poluição. Esta, por sinal, é a responsável por uma elevada soma de gastos públicos nas áreas de saúde, meio ambiente e conservação do patrimônio. Isto mesmo, a grande quantidade de enxofre, amônia, carbono e suas combinações corrói prédios, mobiliário e equipamentos urbanos. O resultado é a busca permanente por materiais e infraestrutura mais resistentes.

A poluição causa problemas respiratórios, estresse, depressão e uma série de doenças psicossomáticas. A medida também ajudaria na socialização, combatendo o individualismo dentro de um país que sofre muito com a xenofobia, pois prevê a troca de carros pelo transporte coletivo. Ou seja, a ação poderia reduzir as despesas com segurança também.

Já surgem resistências de prefeitos com o financiamento do projeto e com a capacidade produtiva das empresas de ônibus elétricos. Mas é muito pouco frente ao impacto positivo da medida dentro da União Europeia. Existe um atraso gigantesco em todo o mundo, com suas exceções, na discussão sobre as vantagens de uma economia sustentável.

No Brasil, com certeza, onde as políticas de urbanização, saneamento e inclusão foram substituídos pelo fortalecimento da repressão, provavelmente teríamos grandes resistências. Hoje o transporte público é mantido por um cartel que financia campanhas eleitorais, especialmente as municipais. Problema que não existe na Alemanha, onde há financiamento público e voto em lista.

Outro problema do nosso país é a falta de planejamento das ações governamentais, sempre dependentes de projetos isolados. Existe uma crônica falta de visão sistêmica pelos governantes, o que eleva o custo de manutenção da administração e não ataca temas importantes, especialmente a questão ambiental. É mais fácil gastar uma fortuna em remédios para ansiedade do que investir em uma praça. Não existe contabilização dos benefícios sociais das ações. Contabilizam-se votos e não a felicidade da população. O resultado são administrações tarefeiras, com pensar de curto prazo e resultados insignificantes, tudo isto moldado pelo fracassado sistema dos arranjos fiscais e de privilégio à repressão social.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s