AS CIDADES TORTAS

0vastomundo

Foto:Mundo, Vasto Mundo“, de Agi Straus

 

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais.

Sempre que penso no futuro das cidades, não consigo deixar de classificá-las como grandes ecossistemas. Isto mesmo, como entes vivos, biodiversos, dotados de elementos visíveis e não visíveis aos olhos humanos. Trata-se de uma visão que foi se consolidando ao longo do tempo e devo muito ao aprendizado com os profissionais da FURG e da Prefeitura de Rio Grande, em especial nos debates com a Doutora e Bióloga Daiane Marques.

Pensar a cidades aos pedaços, como caixinhas que não se comunicam é um erro histórico que faz parte da maioria dos planos diretores brasileiros e do mundo. Aliás, se olharmos o volume de resíduos sólidos que são jogados todos os dias no mar, vamos perceber que nosso meio urbano é projetado sempre em conflito com a água, os recursos hídricos são vistos como inimigos ou como ponto de passagem para tudo aquilo que não mais queremos. O resultado são ilhas e ilhas de plásticos, ferro e madeira espalhadas pelos oceanos do mundo.

Mas voltado ao pensar no ecossistema, devemos sempre analisar que há muito mais na cidade do que pessoas, ruas e prédios. E mesmo estes, são diversos no seu modo de ser, nas suas necessidades e nas respostas que precisam ser dadas pelo conjunto da sociedade. Nunca penso a cidade como uma obra pública, do estado, mas como um resultado do trabalho coletivo, social. Há uma pobreza imensa naqueles mapas que dividem o território em desenhos matematicamente elaborados, como se nas linhas que dividem as fronteiras simbólicas do poder planejador não existisse vida.

A resposta dos pragmáticos é sempre a mesma: árvores são cerradas ao meio ou simplesmente suprimidas, rios e áreas úmidas aterrados e o horizonte é pontilhado por paliteiros chamados de edifícios. As curvas são abolidas e as ruas são tratadas como linhas retas. Ou seja, o nosso planejamento ainda é moldado pela mecânica. Ninguém lembra que existe subsolo, onde existe mais do que terra e água e que a natureza busca constantemente retomar o seu espaço, portanto canalizar um rio ou um arroio normalmente é um convite para enchentes (ou depósitos de lixo), pois a quebra da sinuosidade acelera a velocidade das águas e diminui a vazão dos estuários.

Aos poucos, o canto dos pássaros, que antes se alimentavam das frutas nativas, são substituídos pelo barulho ensurdecedor de buzinas ou da violência. Porque esta, em grande parte, também é resultado de um pensar urbano que exclui, que setoriza, que divide pessoas por padrão econômico, profissional ou etnia. Aliás, em muitos locais a cidade que chega é apenas a da repressão e do crime organizado. Novamente, porque olhamos plantas como quadriláteros sem vida.

Pouco a pouco as cidades estão morrendo sufocadas, asfixiadas pela mecânica do lucro e pela destruição dos espaços públicos. Se antes a humanidade não conseguia se comunicar com as demais espécies, também está desaprendendo a falar com seus semelhantes. No fim, o nosso planejamento pensou tanto no vigor das linhas retas que a cidade entortou. Não teve a flexibilidade das plantas para enfrentar o vendaval do capitalismo selvagem. E o que era para ser um espaço de liberdade, virou uma prisão.

 

 

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s