A MORTE DA VERDADE

52631937125175624

Foto: Pesadelo, de Henry Fuseli (1781)

 

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado

Achille Mbembe, historiador e cientista político camaronês, decretou, em artigo no jornal britânico The Guardian em dezembro de 2016, a “morte do humanismo”. Naquela época afirmou de forma peremptória: “Não há sinais de que 2017 seja muito diferente de 2016. Sob a ocupação israelense por décadas, Gaza continuará a ser a maior prisão a céu aberto do mundo”. Mais adiante aborda a violência do racismo policial estadunidense, a guerra de terror imposta pela destruição do planeta, a orgia da fome espalhada pelo capitalismo financeiro, a emergência do ódio como última fronteira do humano.

Tomar Israel como ponto de partida é uma medida lapidar. Criado pela Assembleia das Nações Unidas de 29 de novembro de 1947, como um possível refúgio para as vítimas apátridas do nazismo, o país invadiu a Palestina tornando a região em verdadeiro campo de concentração, tal qual Auschiwtz-Birkenaw ou Dachau, verdadeiras máquinas de produção de cadáveres em escalas. A violência de Israel contra os Palestinos e os bombardeios cegos contínuos contra Gaza, são a prova absoluta de que a cultura da violência só produz mais violência.

O que mais pretendemos matar? O Planeta? Este vem sendo envenenado sistematicamente pela poluição e pela ganância. A sua morte encontra-se em contagem regressiva dadas as aceleradas mudanças climáticas. A Democracia? Também foi fulminada pelo crescimento da xenofobia e de governos neoliberais que trocaram a vida por números. Os EUA, em 2016, e o Brasil, em 2018, já deram provas de que o povo é capaz de cometer suicídio quando se apega ao medo, ao preconceito e à mentira. Isto já havia acontecido com a Alemanha na década de 1930. Logo, não temos surpresas. O Direito, então? Este morre com a democracia, tentou renascer várias vezes como Fênix, mas a sua morte é um processo contínuo de repetições. E Deus, a resposta para os limites dos seres humanos? Bom, este, pelo menos no Ocidente, morreu quando controlado pelos “vendilhões do templo”. O comércio da fé é o pior símbolo de destruição da dignidade humana, pois afeta o sagrado, aquilo que guardamos de mais íntimo, por isto é uma morte violenta. Já matamos Deuses e Deusas diversas vezes com os genocídios colonialistas, desta forma, a nossa espécie já possui experiência.

Não é nenhum exagero afirmar que em cada uma destas mortes o ser humano, como espécie, mata a si mesmo. Nada consegue sobreviver ao cataclismo de destruição que estamos colocando em prática. Embora o visionário Giordano Bruno acreditasse em reencarnações, ele mesmo foi queimado em Roma, no ano de 1600. E aqui talvez possamos encontrar a última morte decretada, a da “verdade”. Ela insiste em resistir, se escondendo em cada canto que encontra. Fugiu do gueto, quando necessário, do campo de concentração, dos Tribunais do Santo Ofício, tornou-se expert em camuflagem. Mas não tem jeito, os seres humanos descobriram a tecnologia perfeita para matá-la…

 

 

Um comentário

  1. Republicou isso em Luíz Müller Bloge comentado:
    Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado

    Achille Mbembe, historiador e cientista político camaronês, decretou, em artigo no jornal britânico The Guardian em dezembro de 2016, a “morte do humanismo”. Naquela época afirmou de forma peremptória: “Não há sinais de que 2017 seja muito diferente de 2016. Sob a ocupação israelense por décadas, Gaza continuará a ser a maior prisão a céu aberto do mundo”. Mais adiante aborda a violência do racismo policial estadunidense, a guerra de terror imposta pela destruição do planeta, a orgia da fome espalhada pelo capitalismo financeiro, a emergência do ódio como última fronteira do humano.

    Tomar Israel como ponto de partida é uma medida lapidar. Criado pela Assembleia das Nações Unidas de 29 de novembro de 1947, como um possível refúgio para as vítimas apátridas do nazismo, o país invadiu a Palestina tornando a região em verdadeiro campo de concentração, tal qual Auschiwtz-Birkenaw ou Dachau, verdadeiras máquinas de produção de cadáveres em escalas. A violência de Israel contra os Palestinos e os bombardeios cegos contínuos contra Gaza, são a prova absoluta de que a cultura da violência só produz mais violência.

    O que mais pretendemos matar? O Planeta? Este vem sendo envenenado sistematicamente pela poluição e pela ganância. A sua morte encontra-se em contagem regressiva dadas as aceleradas mudanças climáticas. A Democracia? Também foi fulminada pelo crescimento da xenofobia e de governos neoliberais que trocaram a vida por números. Os EUA, em 2016, e o Brasil, em 2018, já deram provas de que o povo é capaz de cometer suicídio quando se apega ao medo, ao preconceito e à mentira. Isto já havia acontecido com a Alemanha na década de 1930. Logo, não temos surpresas. O Direito, então? Este morre com a democracia, tentou renascer várias vezes como Fênix, mas a sua morte é um processo contínuo de repetições. E Deus, a resposta para os limites dos seres humanos? Bom, este, pelo menos no Ocidente, morreu quando controlado pelos “vendilhões do templo”. O comércio da fé é o pior símbolo de destruição da dignidade humana, pois afeta o sagrado, aquilo que guardamos de mais íntimo, por isto é uma morte violenta. Já matamos Deuses e Deusas diversas vezes com os genocídios colonialistas, desta forma, a nossa espécie já possui experiência.

    Não é nenhum exagero afirmar que em cada uma destas mortes o ser humano, como espécie, mata a si mesmo. Nada consegue sobreviver ao cataclismo de destruição que estamos colocando em prática. Embora o visionário Giordano Bruno acreditasse em reencarnações, ele mesmo foi queimado em Roma, no ano de 1600. E aqui talvez possamos encontrar a última morte decretada, a da “verdade”. Ela insiste em resistir, se escondendo em cada canto que encontra. Fugiu do gueto, quando necessário, do campo de concentração, dos Tribunais do Santo Ofício, tornou-se expert em camuflagem. Mas não tem jeito, os seres humanos descobriram a tecnologia perfeita para matá-la…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s